O avô não podia açúcar. Era zeloso, viveria muito. Uma banana era sua cota diária. Descascava-a lentamente. Comi–a com apreço. Sua pequena neta assistia, um por do sol. Os olhos dela enchiam-se de lágrimas. Ela entendia o avô por dentro. Suas lágrimas eram poesia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: