Há um vento antigo. Vez em sempre ele me toca a pele. Vem me ver nas noites de sábado, na alegria triste dos velhos conhecidos. Na pressa em chegar, por certo, arrasta junto de si as folhinhas verdes da sibipiruna que morava na frente de casa. Delicadas, restam elas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: