Memórias de minhas putas tristes

Scroll down to content

Ontem li num gole Memórias de minhas putas tristes de Gabriel García Márquez.
Um Don Pérignon borbulhante aliviado à celebração da vida longa. Brinde ao encontro sem verbo, sem substantivo. Nem adjetivo.
Apenas inspiração e expiração. Transpiração.
A linguagem da alma.
Acordou em mim imagens do “De Profundis” – sétima arte do espanhol Miguelanxo Prado.
Ouvi também a sutil sugestão do belo Gabriel e li o romance ao som de Bach – Cello Suite número 1.
Viagem aos mares Dionisíacos.

Imagem – De profundis . Filme ESP /Por /2007

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: