E concluiu Albert Camus – “…é preciso imaginar Sísifo feliz …”

Desafiadora a proposta do filósofo do absurdo .
Sísifo empurra a pedra colina acima.

A pedra desce a colina. O desafortunado repete o movimento. Sem fim (ou o fim faz casa na eternidade).
Castigo de Zeus enfurecido e colérico com a insubordinação, com a astúcia do filho do rei Éolo.

Meus olhos sentem a imagem de duas formas:

Sísifo está consumido na escravizante tarefa de rolar a imensa pedra montanha acima. Ou ser esmagado por ela.
Não há sentido na experiência. Apenas sobrevivência.

Ou

Ele reconhece a pedra.
Ela é sua. Como o é a própria experiência.
Empurrá-la o faz imenso.
Ele e a pedra estão indissociáveis (caminhante e caminho).
Rolar a pedra acima contém
o sentido da vida de Sísifo.

(reflexões para a conferência do próximo sábado na APM em Marília)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: