Estou lendo Memórias de Subsolo.
Uma experiência estranha.
Entre ondas de torpor em que o sono me vence sou lançada a um clarão de lucidez.
Como quem viajando num trem sente a cabeça pender à frente arrebatada num cochilo, e sem muito governo de si estala os olhos e avista pela janela uma paisagem desconhecida.
Inesperada.
À pequena janela da locomotiva envolvida numa ventania que sopra das frondes

rebeldes de verde.
Nesse mesmo instante sou tomada de assalto por uma sensação de liberdade.
De independência.
Uma injeção venosa de vigor trata do ser.
Ser.
Não obedecer.
Uma alquimia poética misteriosa tem esse livro.
Um bruxo esse Fiódor não?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: