A procrastinação do escritor abraça o infinito

Scroll down to content

Especula-se , entre outras hipóteses, que Sócrates não escreveu linha alguma porque se opunha à restrição imposta ao infinito pelo próprio ato da escrita . Também me lembrei de Jean Cocteau que dizia ser inibitiva
a obrigatoriedade em escrever e afirmava : “ o papel branco ,a tinta , a pena me aterrorizam . “ E acrescentava :” Se eu consigo
vencê -los , então , a máquina se aquece , o trabalho me ocupa e o espírito segue.Mas é importante que eu interfira o menos possível , que eu esteja meio adormecido .”
Fiquei pensando se uma das razões para algumas ( nem todas diga-se de passagem ) das procrastinações do ato da escrita relaciona-se a um tipo particular de angústia – a ambiguidade e o compadecimento do escritor frente ao aprisionamento do infinito ?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: